Como a espiritualidade se conecta à escrita? Autora comenta jornada literária

Créditos: Divulgação / Cris Coelho

TS Martins estava em um processo de reconexão com a espiritualidade quando decidiu dar sentido a essas experiências por meio da literatura fantástica. Assim surgiu seu livro de estreia Val nas Alturas, que conta a história de uma mãe solo em busca de cura e transformação enquanto enfrenta diversos desafios na vida, comuns a muitas mulheres.

Mas a protagonista vai perceber que, através desta jornada, é capaz de mudar não somente a si mesma, mas também as outras pessoas ao seu redor. Essa perspectiva de impactar o mundo a partir da espiritualidade se relaciona com a visão íntima da escritora: para ela, o olhar para dentro de si é uma valiosa ferramenta de autoconhecimento e de bem-estar, entretanto, também pode impactar a sociedade e todos os seres humanos.

Na entrevista abaixo, a autora comenta ainda sobre a importância do despertar espiritual das mulheres, dá dicas com base nas experiências pessoais e fala sobre projetos futuros. Leia:

“Val nas alturas” é o seu livro de estreia. Por que decidiu trabalhar o enredo em volta de um despertar espiritual feminino?

TS Martins: O enredo de Val surgiu para tentar dar conta da minha própria experiência pessoal de reconexão com a espiritualidade em anos recentes e para lidar com todas as ideias com que eu vinha tomando contato. Acho que a ficção me ajudou a dar sentido a essa experiência e, assim, poder transmiti-la, fazendo de Val uma expoente do despertar espiritual feminino. Val é mãe solo e, tendo passado por situações desafiadoras, está em busca de cura e completamente aberta à transformação.

O que a espiritualidade significa para você? E como levou essa percepção para as atitudes, escolhas e experiências da protagonista Val?

TS Martins: A espiritualidade para mim é uma tentativa de buscar um sentido mais profundo para a experiência que nós temos enquanto seres humanos, buscar compreender quem somos e porque estamos aqui. Para mim, isso faz parte de uma busca espiritual, além de procurar conhecer a si mesmo e viver bem. O tema do livro tem a ver justamente com essas atitudes, escolhas e experiências que nos trazem de volta a nossa espiritualidade e são capazes de refazê-la. Val está buscando fazer essas escolhas e tomar essas atitudes guiada cada vez mais por sua espiritualidade.

Como a criação de histórias como essa se torna uma ferramenta para traduzir ideias e sentimentos que não podem ser expressos de outra forma?

TS Martins: O ser humano sempre usou as narrativas para transmitir ideias especiais, desde a mitologia e os contos folclóricos até a literatura contemporânea. Sentimentos que não podem ser transmitidos de outra forma. Acontecimentos que teriam um sentido limitado se fossem apenas racionalmente descritos. As histórias dizem mais do que parecem dizer à primeira vista. Porque a ficção se fundamenta sobre a suspensão da descrença e sobre uma série de premissas que o leitor deve aceitar de antemão se quiser embarcar na história.

Você que já passou por uma jornada de autoconhecimento muito parecida com a da Val, quais dicas daria para as mulheres que precisam se reencontrar diante a situações desafiadoras da vida?

TS Martins: Acho que o próprio livro traz essas dicas. Tem dois pontos que eu acho muito importantes. Em primeiro lugar, buscar ressignificar a própria história – a transformação necessita de uma nova narrativa que ficará no lugar da antiga. Em segundo lugar, no dia a dia, eu começaria tentando levar a sério a prática da meditação. Acho que a meditação tem um efeito restaurador para o cérebro e meditar deveria ser incentivado nas escolas, para que todo ser humano pudesse se beneficiar dessa prática.

Você pretende continuar com projetos na literatura? E se for o caso, quer seguir na mesma linha, com foco na espiritualidade?

TS Martins: Pretendo, sim, seguir com a literatura. Acho que sempre haverá um pouco de espiritualidade nos meus trabalhos daqui por diante, mas nem sempre será esse o foco. Estou escrevendo um próximo livro que traz ensinamentos de Ayurveda e Vedanta, mas o foco já não é mais a espiritualidade, e, sim, o desejo pela vida eterna. Acho que estou me mantendo dentro da linha fantástica, entretanto.

da Redação A Toupeira

Filed in: Livros

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.