Crítica: “Fúria Primitiva”

Em um momento em que “Godzilla e Kong: O Novo Império” e “Planeta dos Macacos: O Reinado” estão em grande destaque, lançar uma obra onde o protagonista veste uma máscara simiesca é arriscado, por levar a comparações desconexas ou mesmo estimular a acusação de oportunismo.

Ainda mais com o próprio título original, “Monkey Man”, fazendo alusão à figura de homem-macaco. Porém, o que vemos aqui é uma interpretação da divindade Hanunman em uma história bem elaborada de ação e suspense.

Em “Fúria Primitiva” ( Monkey Man), Dave Patel , que também escreve (junto a Paul Angunawela e John Collee), produz (ao lado de outros nomes, como Jordan Peele) e dirige, interpreta Kid, um lutador de torneios ilegais que busca vingança contra o general corrupto que eliminou seu povo e sua família.

Gerando um clima sombrio, temos bem caracterizada uma elite com alto grau de refinamento estético e intelectual em oposição a uma população que mal tem condições básicas de moradia. Isso tudo piorado pela ascensão de Baba Shakti (Makarand Deshpand), um guru religioso  cujas pregações funcionam exatamente para anestesiar os trabalhadores e exaltar seus governantes.

Tendo mais proximidade dos títulos asiáticos de ação do que obras norte-americanas atuais, nosso herói não começa com grandes habilidades, com o filme mostrando sua progressiva evolução física e mental, de alguém que mal sabe se mover até se tornar uma grande ameaça – algo que só conseguirá quando deixar de lutar apenas por si mesmo, para se dedicar a virar um campeão dos rejeitados.

Ao longo da obra, temos os mais diversos tipos de ação, de torneio de artes marciais a perseguição armadas nas ruas, de infiltração com toques de espionagem a lutas contra dezenas de oponentes.

A junção de ângulos de câmera e iluminação adequados para cada sequência de combate permite captar bem o estado mental do protagonista, do seu início confuso e desesperado, assim como seu progressivo crescimento, ficando cada vez mais focado e atento. Tudo acompanhado pela excelente trilha sonora de Jed Kurzel, que mescla instrumentos tradicionais com modernos.

Com a intenção de sempre seguir em frente, Kid se espelha na figura heroica de Hanuman, a divindade rei-macaco que, no contexto do longa, é colocada como uma figura desprezada, mas que é capaz de desafiar até os deuses.

Algo que vai além da simples inspiração, quando ocorre a perseguição religiosa dos opositores ao guru e começa o leve (mas preciso) toque sobrenatural da trama.

Para mim, “Fúria Primitiva” é um dos melhores filmes de ação dos últimos anos.

por Luiz Cecanecchia – especial para A Toupeira

*Título assistido em Cabine de Imprensa promovida pela Diamond Films.

Filed in: Cinema

You might like:

Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2” Cinépolis anuncia parceria com Disney no Combo Júnior “Divertida Mente 2”
Maneva se apresenta em São Paulo Maneva se apresenta em São Paulo
GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?” GNT abre inscrições para a plateia do “Que história é essa, Porchat?”
Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças Dia do Luto: Dois livros infantis para falar sobre o assunto com crianças
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.