Crítica: “Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso”

Julgar alguém por sua aparência, ou qualquer outro elemento que possa ser discriminatório nunca foi (e jamais será) uma boa ideia. É a boa e velha máxima de “não julgar um livro pela capa”.

A trama de “Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso” (Suburbicon), se passa no final dos anos de 1950, em um pacato subúrbio americano, onde tudo e todos se mostram corretos demais para serem verdadeiros. E esse é o elemento mais inteligente do filme, que consegue expor que há uma considerável gama de coisas escondidas sob o véu da moral e bons costumes que parece ser o alicerce do lugar.

Em sua sexta incursão por trás das câmeras, George Clooney, além de estar à frente da direção, é um dos responsáveis pelo roteiro – também escrito por Grant Heslov, Joel Coen e Ethan Coen. Há duas frentes distintas que são exploradas no decorrer da história: em comum, o fato de ambas narrativas girarem em torno de núcleos familiares e seus problemas.

Matt Damon dá vida a Gardner Lodge, que vê sua vida mudar radicalmente quando após um assalto, sua esposa Rose (Julianne Moore) é assassinada. Ao lado de sua cunhada Margaret (também interpretada por Julianne Moore) e de seu filho único Nicky (o ótimo Noah Jupe), ele se mostrará bem mais interessante / complexo do que sua aparência rasa e comum faz supor.

Do outro lado da balança há a história dos Meyers, primeira família de negros a se mudar para a vizinhança. A maneira como o casal e seu filho são tratados, sendo vítimas de incessantes protestos em frente à sua própria casa, promovidos por pessoas insatisfeitas com sua presença, é algo que choca e faz pensar em como o racismo e a intolerância podem continuar tão ativos tantos anos depois.

Confesso que tive dificuldade em entender a qual gênero o longa visa pertencer. Há momentos em que o humor negro se faz bastante visível, em outros há uma pendência para o policial / suspense e até mesmo com o drama há como se fazer alguma conexão.

No final, tantas intenções sendo postas em prática ao mesmo tempo acabam gerando certa confusão, mas ainda assim é possível ter a atenção presa pelos personagens e suas nuances – ainda que alguns sejam muito mal aproveitados.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Mickey e Amigos – Novo álbum com single do Simple Plan Mickey e Amigos – Novo álbum com single do Simple Plan
Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto retornam ao palco do Palácio das Artes com “Valencianas” Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto retornam ao palco do Palácio das Artes com “Valencianas”
Panini no Anime Friends Panini no Anime Friends
Looney Tunes explicam modalidades dos Jogos Olímpicos em curtas animados Looney Tunes explicam modalidades dos Jogos Olímpicos em curtas animados
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.