Direto da Toca: Diretor Fernando Uehara fala sobre o curta de animação “Música das Esferas: Mimi e o Baú Mágico”

Crédito: Divulgação

Nós conversamos com o diretor e roteirista Fernando Ueahara, que, ao lado de Marcos A. R. Alves e Luz César Arashiro é responsável pelo curta-metragem de animação brasileiro “Música das Esferas: Mimi e o Baú Mágico” – já disponível no canal no YouTube e, futuramente, no site oficial do projeto (www.musicadasesferas.art.br).

A Toupeira: Qual o objetivo com a escolha do título “Música das Esferas”? Numa rápida pesquisa pela web, encontramos diversos sites com publicações com este título, de Pitágoras a livro de crônicas. Como atingir o objetivo do projeto em meio a tantas publicações?

Fernando Uehara: De fato, o título da obra tem tudo a ver com as teorias dos antigos. Cunhado pelos gregos, o termo refere-se à ideia de que havia uma harmonia matemática regida no cosmos. Pitágoras trouxe o conhecimento de que havia uma relação entre a música e a matemática. Ou seja, é um termo que faz parte deste universo científico, matemático.

Embora a nossa obra seja uma animação infantil, escolhemos o título justamente porque há por trás dela todo um trabalho sonoro baseado em teoria musical: as melodias, as quintas, terças… a parte teórica da musica está lá, expressa em som. Acreditamos que é uma maneira de sensibilizar e passar essa informação de forma lúdica, divertida, para as crianças.

AT: A intenção do projeto é levar espontaneamente crianças a “uma escuta atenta e sensível”. Com esta declaração, entende-se que o elemento principal do curta é a música. Diante disso, pode-se afirmar que a música existe antes do roteiro? Em caso afirmativo, seguirão por este caminho?

FU: Não, o roteiro foi elaborado pensando nesses conceitos musicais e a música (a trilha sonora) completa essa narrativa. Ela completa o desenho e vice-versa. Podemos afirmar que a narrativa só se faz compreensível com a fusão das duas coisas, não podem ser dissociadas.

No processo criativo desta obra, o roteiro e os desenhos foram criados primeiro e logo na sequência a trilha foi elaborada. Mas a música tem o espaço pra expressar as suas variações, a sua “cor”.

Desta maneira, ela é fundamental para contar a história. E é esse caminho que seguiremos: o fundo sempre terá uma teoria a ser retratada na música, tons maiores ou menores, terças e quintas, alturas, etc…

AT: O que os levou a escolher um gato preto para protagonizar o curta? Foi aleatório ou por alguma experiência pessoal? Qual a simbologia dessa escolha?

FU: O gateiro da equipe sou eu (risos)… Mas a escolha da cor foi mais determinada por um motivo do efeito gráfico: sendo preto, ele se contrasta melhor e acaba se destacando mais entre outras criaturas e também no colorido da animação. Lembrando que as outras personagens importantes como Lalá (sua tutora) e Godofredo (avô de Lalá) têm cores definidas e marcantes (verde e roxa, respectivamente), já as outras pessoas aparecem transparentes.

AT: Com a possibilidade de se tornar uma série, “Música das Esferas” seguirá com Mimi e o Baú Mágico? Ou serão explorados outros personagens e situações?

FU: “Mimi e o Baú Mágico” é uma introdução, uma apresentação dos planetas e de alguns personagens que serão melhor explorados, na possibilidade de “Musica das Esferas” se tornar uma série.

Temos a intenção de contar a história com Lalá se aventurando com seu gato Mimi e também apresentar melhor quem é Godofredo que, pra nós, é a chave de todo esse conhecimento musical.

Instrumentista e grande conhecedor da música, ele é o dono do baú mágico (por onde Mimi fez sua primeira viagem) e vai introduzir sua neta para o mundo musical, fazendo despertar nela a curiosidade pela música, conhecer melhor a música brasileira e os nossos grandes mestres que, na animação, “são de outro planeta”.

AT: Além da idealização da série, quais os próximos passos de “Música das Esferas: Mimi e o Baú Mágico”?

FU: Estamos trabalhando pra buscar fundos para desenvolver a série e poder veicular na TV Cultura. Em breve, estará no ar o site do projeto com uma navegação imersiva, com links para baixar uma cartilha de atividades e, futuramente, outras mídias, como uma contação de histórias (o E-shibai, inspirado nas contações de histórias japonesas chamadas de “Kamishibai”) e também games.

por Carlos Marroco – especial para A Toupeira

Filed in: Direto da Toca

You might like:

Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono Fazenda Futuro: Confira duas receitas para aproveitar os alimentos da estação, junto da chegada do outono
Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais Amazon Prime Video lança filme sobre batalha musical com grande elenco de influenciadores digitais
Crítica: “Evidências do Amor” Crítica: “Evidências do Amor”
Crítica: “A Paixão segundo G. H.” Crítica: “A Paixão segundo G. H.”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.