Direto da Toca: Resenha da HQ “Coelho Nero – O Melhor de 11 Anos”

Crédito: Divulgação / Omar Viñole

Nem sempre os chamados “críticos” têm a mesma acidez quando se trata de olhar para si próprios e isso os torna ainda menos confiáveis, afinal, quem enxerga apenas as falhas alheias, costuma tropeçar em suas imperfeições pessoais.

Façamos um rápido teste: Imagine a ilustração de um coelhinho. Que seja amarelo e falante. Como ele se parece? É provável que seu primeiro pensamento tenha se direcionado para o lado da fofura e meiguice que normalmente os animais reais carregam consigo, ainda mais se eles conseguissem se comunicar conosco, através de nossa própria linguagem humana.

O Coelho Nero, criação do quadrinista Omar Viñole é exatamente o oposto disso e, acredite: é o que o torna tão interessante – e até mesmo relevante – principalmente em um mundo no qual as aparências são cada vez mais construídas de maneira artificial.

Em “Coelho Nero – O Melhor de 11 Anos”, recém-lançada edição digital, temos uma coletânea com as melhores tiras lançadas desde 2009, ano da criação do personagem. Ainda que as mudanças sejam constantes e velozes na sociedade em que vivemos, o caráter pouco amistoso de Nero permanece intacto, mesmo com o passar de mais de uma década.

Há um ponto muito fácil de ser ultrapassado, que delimita o que é de fato engraçado e o que pende para o que poderia ser considerado ofensivo por parte dos leitores. Omar consegue equilibrar sua obra de maneira exemplar sobre esse ponto, trazendo assuntos controversos como política – e mais recentemente, pandemia – aos quadrinhos, promovendo um debate sadio sobre as tribulações que nos cercam no cotidiano.

Nero não tem medo de se assumir neurótico e não são raras as vezes em que o vemos em meio a ataques de pânico. Tudo convergindo para que também o acompanhemos em suas sessões de análise com um simpático terapeuta em forma de minhoca – que vez ou outra, também explana seus pensamentos.

Se com o protagonista das tiras as coisas são mais sérias e soturnas, o mesmo não se pode dizer dos demais coadjuvantes das histórias – em especial a adorável Vaca, que serve como contraponto ideal para, mais uma vez, ajudar no equilíbrio das publicações.

Esse resultado agridoce transforma a obra em algo que diverte e provoca, faz rir e leva à reflexão, tudo ao mesmo tempo, através de eficientes quadrinhos – que às vezes resumem-se a uma ilustração única.

Em uma das tiras que compõem as 55 páginas da publicação digital, Nero cogita usar um disfarce de ovelha, na expectativa de conquistar a simpatia do público. Mal sabe ele que o que o fez ganhar o coração dos leitores foi justamente a força que transmite através de sua personalidade ácida, mas plenamente sincera.

por Angela Debellis

Filed in: Direto da Toca, Quadrinhos

You might like:

Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max Para quem ama investigação: cinco séries de espionagem disponíveis na Max
Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd Dubladores de Chiquinha e Seu Madruga participam de painéis do Dia do Orgulho Nerd
“Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS “Frankenstein”, clássico de 1931, ganha sessão gratuita com debate científico no MIS
Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano” Direto das Toca: Conhecemos a Exposição “Corpo Humano”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.