Crítica: “LEGO Ninjago – O Filme”

Ao mesmo tempo em que elaborar o roteiro de uma animação me parece tarefa das mais interessantes na indústria do entretenimento, também imagino ser missão cada vez mais ingrata para os profissionais que a isso se propõem. Se criam uma trama complicada, são criticados, se optam pela facilidade, também não basta.

Simplicidade. Essa é a base de “LEGO Ninjago – O Filme” (The LEGO Ninjago Movie), dirigido por Charlie Bean, e que traz como elemento fundamental algo que parece assustar boa parte das pessoas hoje em dia: relacionamento familiar.

O cenário é a cidade de Ninjago, que sofre com os constantes ataques de Lord Garmadon (voz de Justin Theroux na versão original), vilão que tem ótima presença em tela e cuja participação é das mais bacanas. Para combater o chamado “Pior Cara de Todos” entra em ação um grupo de seis adolescentes, aprendizes de ninja, que comandam incríveis robôs e descobrem ter poderes peculiares, todos partes relevantes para a complementação do conjunto (como cada pecinha de montar acaba sendo no resultado final).

Mestre Wu (voz de Jackie Chan) é o responsável pelo treinamento de Lloyd, Nya, Jay, Kai, Zane e Cole (Ninja Verde, da Água, do Relâmpago, do Fogo, do Gelo e da Terra, respectivamente) e quem vai conduzir boa parte da narrativa de forma tranquila e sábia, exatamente como se espera que um verdadeiro Mestre Ninja faça. Aliás, a cultura oriental é representada de maneira competente por esse personagem.

Típica história de mocinhos do ensino médio que têm que combater o vilão malvado – e que gostam dessa faceta secreta. Direto, não fosse o fato de Lord Garmadon também ser, além do antagonista do longa, pai biológico de Lloyd, que precisa decidir qual direção seguir: a de filho que continua lutando pela atenção do pai ausente ou a de líder que toma para si a missão de proteger a cidade em que vive.

Destaque para sequência de abertura na qual Mr. Liu (o personagem de Jackie Chan, nas cenas iniciais apresentadas em live action) conta para um garotinho a história dos ninjas guerreiros, através de bonequinhos – a transformação da peça real para a vista na animação é linda, tanto quanto o visual inteiro da produção, que, assim como seus antecessores da franquia LEGO, continua prezando por uma qualidade cada vez mais impecável.

Grande sucesso entre os brinquedos da famosa marca, a linha Ninjago já conta com uma história bem sucedida de desenhos para a TV e games. Se vai repetir o feito nas telonas, só o tempo e o público dirão, mas, sem dúvida, merece ser visto – com a mente alerta para apreciar as sempre bem-vindas referências e o coração aberto para perceber que, mesmo que muitas vezes não seja fácil aceitar isso, a instituição familiar e todas as suas implicações em nossas vidas, são algo que ainda merecem atenção.

Vale conferir.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

“O Rei Leão” se torna a 10ª maior bilheteria do cinema “O Rei Leão” se torna a 10ª maior bilheteria do cinema
“Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner “Friends” é o tema da nova edição da Casa Warner
Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches Ragazzo lança promoção com pratos clássicos da rede pelo preço de lanches
Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2” Divulgado pôster oficial de “Os Parças 2”
© 2019 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.