Crítica: “O Destino de uma Nação”

Quando pensamos em grandes conflitos históricos, é provável que a primeira imagem seja a de campos repletos de soldados cujas vidas tornam-se descartáveis diante de ações tão gigantescas e terríveis. Mas há outro lado, aquele em que os “senhores da guerra” estão em frente a mapas marcados por alfinetes (ou o que quer que o valha em dias atuais), decidindo o próximo movimento que um país inteiro tomará.

Esses bastidores são o centro de O Destino de uma Nação” (Darkest Hour), trama dirigida por Joe Wright, e baseada no livro homônimo de Anthony McCarten. Passada em maio de 1940, mostra a nomeação de Winston Churchill (Gary Oldman, em atuação que já começou a render prêmios) ao cargo de primeiro-ministro da Inglaterra, em meio à Segunda Guerra Mundial.

Ao estadista de gênio forte e grande inteligência, caberá a decisão de aceitar uma espécie de tratado de paz com Adolf Hitler, mediado por Benito Mussolini ou colocar a rendição como carta fora do baralho e manter o país atuante no conflito (ainda que isso custe milhares de vidas).

É louvável que a postura de Churchill em não se entregar permaneça rígida, mesmo nos momentos em que este parecia ser o único caminho viável. O político teve que enfrentar a discordância de seus companheiros de partido, de seus oponentes e até mesmo do Rei George VI (Ben Mendelsohn) e, ainda assim, manteve-se fiel àquilo em que acreditava: a possibilidade de resgatar o exército inglês que estava sitiado em Dunkirk.

Se lhe soou familiar, é porque em 2017, o outro lado da história, o que traz a visão de dentro dos campos de batalha, foi mostrado por Christopher Nolan no excepcional longa que leva justamente o nome da cidade portuária francesa.

O óbvio destaque fica para Gary Oldman, cujo talento consegue sobrepor-se à pesada maquiagem. As nuances de sua interpretação ficam claras quando vemos o rigoroso político gargalhando com sua fiel secretária Elizabeth Layton (Lily James), ao descobrir o significado equivocado da primeira foto em que aparece com sua icônica pose fazendo o “V” de vitória. Ou ainda como o homem que, mesmo casado há tantos anos, consegue ter bons diálogos com sua esposa Clementine (Kristin Scott Thomas).

Cabe dizer que a recriação de um dos discursos mais famosos de Churchill é um dos melhores momentos da produção. Para quem não conhece, é interessante procurar pela gravação do áudio original, para perceber o quão competente foi a execução da cena, inclusive pela entonação de voz de Oldman.

Vale conferir nos cinemas.

por Angela Debellis

Filed in: Cinema

You might like:

Direto da Toca: Conhecemos a sala “MacGyver” do Escape 60 Direto da Toca: Conhecemos a sala “MacGyver” do Escape 60
Escape Time inaugura Sala “Jogos Mortais” em São Paulo Escape Time inaugura Sala “Jogos Mortais” em São Paulo
Cinépolis terá Maratona de “Vingadores” com valor de meia entrada Cinépolis terá Maratona de “Vingadores” com valor de meia entrada
Vingadores ganham Maratona e Combo Especial no Kinoplex Vingadores ganham Maratona e Combo Especial no Kinoplex
© 8726 AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.