Direto da Toca: Encaramos os desafios da sala on line “A Mansão” da Escape Time

Crédito: Reprodução

Desde a minha primeira partida em salas de jogo de fuga (em 2016), o que mais me atraiu foi a inesperada possibilidade de passar uma hora inteira longe de outras distrações da vida moderna – entenda-se redes sociais, celulares e streamings – para de fato me divertir ao lado de amigos.

Esse diferencial acabou ganhando um novo contorno devido à pandemia que ainda assola o mundo e que nos trouxe a necessidade de manter distanciamento físico. Agora, os chamados escapes games também são oferecidos em uma nova modalidade, com partidas on line que fazem as vezes de nos reaproximar de alguma maneira (com mais segurança e praticidade, nesse primeiro momento).

Na tarde de hoje, a convite da Escape Time (e sua assessora Laíze, mais uma vez dando um show de profissionalismo), eu e meus colegas de equipe Escapers Divertidos passamos pela experiência de conhecer a sala “A Mansão”, uma das opções oferecidas pelo estabelecimento.

A narrativa se passa totalmente on line, com o recurso da câmera em 360° – o que faz com que os escapers sintam-se imersos nos ambientes. O desafio de hoje propunha ao grupo conseguir realizar uma sessão de exorcismo a fim de salvar uma garotinha. Contra nós, além do tema assustador, o tempo escasso que esses jogos costumam disponibilizar: os temíveis 60 minutos.

Durante a partida, percorremos os mais diversos ambientes – todos relacionados ao gênero terror, com direito a vídeos e elementos que aumentam a tensão. Não há nada muito explícito ou que penda para o gore, mas é válido ressaltar que as pessoas devem gostar do tema ou não conseguirão aproveitar os pequenos – e importantes – detalhes.

Para nos auxiliar nessa missão, contamos com a ajuda do monitor Thales, que foi primordial para nos recolocar no caminho certo quando nos afastávamos demais da direção a ser tomada para encontrar as respostas. Não há um limite para as dicas, mas é bem mais legal descobrir as coisas por si mesmo, então, é melhor essa alternativa com moderação, só quando o grupo realmente empaca em algum desafio e perde mais tempo do que deveria – o que pode fazer uma diferença imensa no resultado final.

Assim como nas salas presenciais, para haver a troca de cenários, é preciso resolver os enigmas propostos em cada locação. Com as supostos códigos em mãos, basta digitá-los no campo indicado e, em caso de acerto, a tela já muda automaticamente.

O mais engraçado é que, ainda que à distância, o momento de colocar as respostas – assim como nos jogos tradicionais – é o que cria mais “confusão” entre os jogadores e isso me trouxe uma saudade ainda maior de estar com todos juntos, no mesmo ambiente, mas também me surpreendeu pela capacidade de sentir uma emoção diferente, mas tão boa quanto a que já pude viver antes com outros jogos de fuga.

Começando nossa saga de escapadas em 2021 com o pé direito, conseguimos cravar o cronômetro em 58 minutos e 1 segundo, ou seja, faltando 1 minuto e 59 segundos para o tempo máximo acabar.

Exorcismo feito, criança salva e sorrisos nos rostos. Ao término da partida, uma foto com os integrantes do grupo, cada um em sua casa, em frente ao seu computador, serviu para que nos sentíssemos um pouquinho mais próximos e que, agora ainda mais, continuemos na torcida por nossos reencontros com segurança e saúde.

Além de “A Mansão”, a Escape Time oferece outros temas para se jogar on line. E para quem já se sente confortável em voltar para as versões presenciais, também tem muita coisa boa e opções para todos os gostos.

Aqui no site, há várias resenhas de salas que já conhecemos para ajudar na escolha de sua próxima aventura. Para mais informações e reservas, acesse o site oficial www.escapetime.com.br.

por Angela Debellis

Filed in: Direto da Toca

You might like:

“Luca”: Divulgado o trailer inédito da animação original da Pixar “Luca”: Divulgado o trailer inédito da animação original da Pixar
Assista ao teaser oficial de “Army of the Dead: Invasão em Las Vegas” Assista ao teaser oficial de “Army of the Dead: Invasão em Las Vegas”
Crítica: “Judas e o Messias Negro” Crítica: “Judas e o Messias Negro”
Crítica: “Mambo Man – Guiado pela Música” Crítica: “Mambo Man – Guiado pela Música”
© AToupeira. All rights reserved. XHTML / CSS Valid.
Proudly designed by Theme Junkie.